Quem sou eu

Minha foto
Fábio e Verônica, Verônica e Fábio. Um escritor e uma musicista, pelo menos aspirantes a isso rsrs! Amantes das letras, dos sons e de tudo que é arte! Amigos acima de tudo! Fizemos esse cantinho para dividir nossas idéias e ideais aos olhos da Net!

terça-feira, 5 de abril de 2011

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Que venha 2011

Pensei muito sobre o assunto, mas sabe como é os fatos, eles te colocam na parede e te obrigam a pedir explicação. Muitas vezes te pedem atitude e aí sabe como é, tem que passear com o cachorro, ligar pro namorado, visitar a vó... Sempre aparece a tal da “Desculpa”. Ela vai seguido lá em casa. Tento não abrir a porta mas quando vejo está lá sentada na cadeira tomando um chimarrão e discutindo com o “Fato”. Eita confusão. Já corri com os dois lá de casa uma vez, mas eles sabem onde moro, não tem como permanecer muito tempo escondida. Para 2011 já deixei os dois bem avisados: Para o “Fato”, quero sim continuar crendo nos bons momentos, nas boas lembranças, em tudo de bom que ocorreu em 2010 e na bondade de todas as pessoas que foram demonstradas. Mas nem sempre ele me conta ou me mostra coisas boas como bebês em sacolas, animais mal tratados, pessoas passando fome, crianças só tendo o craque como família, violência contras as mulheres, estupidez no trânsito... Combinamos assim, ele vai tentar me contar mais coisas boas do que ruins mas aí peço a ajuda de todos que estão lendo agora estas simples palavras, para fazermos histórias com fatos felizes. Para a “Desculpa” disse que temos que reduzir um pouco o seu discurso e por em prática nossa vida, e sim temos que descansar muito também, mas aí não precisamos de “Desculpas”, pois descansar é repor as baterias para recarregar para um novo dia.
Agradecimento a Verônica Elias. Nota expressa a sua opinião. Escrito em 29.12.2010.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Show Banda AMITIS - Divina Comédia POA

Horário: 21hs
Local: Divina Comédia | Rua republica, 649 | Cidade Baixa - POA/RS
Dia: 02 de dezembro de 2010
Estilo: Rock and Roll de qualidade e algumas novidades

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Show de Paul Mccartney em Porto Alegre - EU FUI!!!

Realizado no dia 07 de novembro às 21hs no estádio Beira Rio em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul. Fotos tiradas por Alexandre Cauduro e Verônica Elias.











segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Ensaio Banda AMITIS

Gostaria de compartilhar com vocês as novas fotos da minha banda AMITIS que fizemos para divulgação do nosso show novamente no Divina Comédia em Porto Alegre no dia 07 de outubro, uma quinta feira. Somos em sua maioria de Canoas, próximo a Porto Alegre, tocamos músicas covers na noite gaúcha e estamos produzindo nossas músicas própria. Segue a baixo as fotos, e quem não puder comparecer dia 07 no bar então confere os nossos vídeos no yotube. Abraços a todos.

Links do youtube:

http://www.youtube.com/watch?v=iQWL2bHOBDo
http://www.youtube.com/watch?v=EIZcP4HHBFs&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=FITsla4SOEQ&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=GY2JXnxhnJQ&feature=related

Ensaio de fotos feito por Amanda Elias e retoques no photoshop por mim mesmo:














Agradecimento a Verônica Elias. Nota expressa a sua opinião. Escrito em 20.09.2010.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Para Fernando, ô Pessoa!!!

Escrevi depois de pensar muito nas partes que li (ainda tô lendo) do livro de Fernando Pessoa, indicado aqui mesmo no blog. Não sei o que é, então fica como um poema.

 Dois abismos
 Duas crenças
 Dois perdidos
 Duas senteças

Você não quis mais discutir.

Vou lembrar de nossas vidas
dos amores não advindos
ou dos triunfos que não são meus.

Tenho amor a isto
Tenho e preciso
Florecer pra te encantar
Te envolver entre o céu e o mar.

Tenho amor a isto
Tenho e preciso
Aparecer no teu luar
Te encantar com um só olhar.

Vem as saudades
Vem ascensões
Vem a maldade
Vem os canhões

A inimizade de dois corações.

Vou lutar pelos meus sonhos
Dignidade, um bem para todos.
Tardava-me o conhecer.

Tenho amor a isto
Tenho e preciso
Florecer pra te encantar
Te envolver entre o céu e o mar.

Tenho amor a isto
Tenho e preciso
Aparecer no teu luar
Te encantar com um só olhar.

     
  
Agradecimento a Verônica Elias. Nota expressa a sua opinião. Escrito em 07.2010.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Foco na violência

Quando eu cursava umas cadeiras de um curso técnico em comunicação, tive a oportunidade de ter uma aula-palestra com o jornalista André Haar (sim é aquele que passou da globo para a Record).

Entre outras coisas como a história de vida dele e como ele tinha começado na carreira, mostrou-nos vídeos de reportagens enfatizando que a emissora dele (o que no fim vale para todas, porque criar hoje em dia é o mesmo que “copiar” do concorrente) iria mudar o modo como apresentavam as reportagens. O vídeo, se não me engano, era de uma tragédia como alagamento, e mostrava uma senhora caindo no chão, e o que o André Haar nos falou é que em seguida, eles iriam focar a “ação”, ou a “polêmica”, não lembro bem as palavras dele, mas foi algo assim, e frisou que se aquela reportagem fosse exibida com esse novo método a primeira coisa a ser mostrada seria a senhora caindo, para depois explicar do que se tratava.

E como todos podem ver, é o que está acontecendo. Eles estão focando praticamente só a violência, as desgraças, as insanidades humanas, a inanição e o desespero. Técnicas para ganhar ibope? Estão passando o que o povo gosta, no estilo sexo, drogas e rock’n’roll? (na verdade hoje em dia a ordem seria rock, drogas e sexo, mais drogas e sexo, mais drogas, overdose e morte, mas deixa assim). Pode até ser isso, e claro, não é de hoje que o foco está nas desgraças, mas acho que a coisa andou sim piorando. Como diz a sempre “polemicamente correta” Dama de Cinzas: “ – Eles pegam uma coisa e batem, batem e batem!”. E é verdade, parece que agora eles nem deixam um intervalo para nossas mentes ao menos fingir que estamos bem ou seguros e já pegam outra aberração, outra tragédia hedionda e começam a falar insistentemente, é uma coisa que está saindo do controle, ou ao menos faz com que percamos o nosso.

Como dizia uma amiga minha de correspondência: “- É muita falta de Jesus no coração”. O mundo e as pessoas são loucas, tudo bem, mas essa mídia está criando um vácuo na bondade, parece que não existe uma notícia boa para escutarmos. Não que eu queria mascarar a realidade, mas não precisam focar quase que exclusivamente esse tipo de coisa.

Vou dizer que sempre gostei de telejornais, mas com isso não sei se não terei de achar alternativa, ou apenas assistir uma vez e me desligar das outras, o que meio que inconscientemente já ando fazendo, porque é muito chato ouvir uma notícia, sobretudo uma tragédia, tantas vezes e depois, como se diz, sempre é possível trocar de canal, ou ir ler um livro, ou fazer qualquer outra coisa mais agradável.

Agradecimento a Fábio Nunes pela sua contribuição. Nota expressa sua opinião. (Escrito em 29/07/2010 e postado em 04/08/10).

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Senso de Coletividade

Genteee! Que agonia que me dá gente lerda na minha frente. Eu sou daqueles que anda rapidinho, em passos curtos, e, sendo magro, vou me desviando da multidão, me enfiando entre um e outro, o que é muito útil para pegar lugar no trem, por exemplo. E me irrita ao máximo ver pessoas se arrastando na minha frente. E nem é mania minha, afinal cada um que ande como quer, não é? Mas o que não aguento é ver pessoas se arrastando e ainda bloqueando o lugar de quem quer passar. Acho isso um saco, uma falta de consciência coletiva.

Quando a copa do mundo, ou as olimpíadas, não lembro, foi no Japão, vi que tinha grupos de lá, que ajudavam na preparação das pessoas para a ida da copa. E isso incluía a preparação e organização de pessoas no ônibus. Achei o máximo! Quem pega ônibus todo dia sabe do que estou falando. Ônibus hiperlotados e quando desce alguém, os outros que estão na frente não se acomodam no lugar que vagou porque as outras pessoas saíram e sim ficam que nem múmias paradas nos mesmíssimos lugares, daí os cobradores têm que ficar berrando “UM PASSINHO AO FUNDO, POR FAVOR” e coisas do gênero, e mesmo assim às vezes não funciona e os que ficam antes da roleta ficam apertados ou tendo que forçar a passagem, quando a solução seria o simples, prático e eficaz bom senso.

Tive uma professora de inglês que não há muito tempo foi para os Estados Unidos e disse que lá, até nas escadas rolantes tem lado “certo”, eles ficam à direita, que nem carros, e quem está com muita pressa ou andando mais rápido e não espera a marcha da escada, passa pela esquerda, como uma ultrapassagem! Não é o máximo de civilidade?!

Outra coisa que até eu mesmo estou me policiando para seguir é o seguinte: nas lotações, ou ônibus, mas na minha cidade tem mais lotações do que ônibus, então eu uso mais, as pessoas que vem de pé acabam descendo depois das que estão sentadas na parada final, tudo porque quando a lotação pára, as pessoas que estão sentadas devem começar a sentir uma coceira “lá” e levantam e começar a forçar a passagem ou a entrar na fila “desesperadas” para sair (efeito contrário de quando se abre uma porta de trem, onde as pessoas, feito bichos selvagens, se avançam para entrar), isso sem estarem atrasadas. Agora me digam: não seria mais fácil se as pessoas que já estão de pé saíssem primeiro, uma porque é mais ágil, afinal já estão de pé mesmo, outra porque seria mais justo, afinal elas vieram de pé, cansadas, apertadas, e querem sair logo, enquanto as que estão sentadas, bonitinhas, fofas e com o traseiro bem sentado, podem continuar assim por mais dois minutos, e não teria empurração sem necessidade.

As pessoas têm muito a síndrome do sol, ou seja, acham sempre que são o centro da galáxia, quiçá do mundo. É difícil pegar um guardanapo de papel e secar a mesa e outros detritos que você pode ter espalhado no refeitório depois do almoço, ainda mais sabendo que tem pessoas que almoçam depois de você e que não tem a obrigação de limpar a “sua” sujeira? É difícil não colocar restos de comida na pia para não entupi-la, prejudicando a todos, ainda mais quando se tem um lugar específico para isso? Aqui na minha empresa é, e acho isso uma chatice. Parece que as pessoas não enxergam isso.

E falando em não enxergar, não só para essas coisas, mas para muitas outras parece que a as pessoas têm que ser domadas que nem um poodle, ou robotizadas com instruções, como um computador. Se uma pessoa ficasse ali uns três dias, dando essas instruções específicas de: limpe a sua sujeira, jogue seus restos em tal lugar, a coisa funcionaria, e mesmo assim teriam que inspecionar de vez em quando. Não entendo porque tem coisas que só funcionam sob fiscalização, quando seríamos os melhores fiscais de nós mesmos se pensássemos um pouco que seja no outro. E para encerrar a frase: “Liberdade é bom, mas também é responsabilidade”. Li em algum lugar e acho que se aplica plenamente aqui.

Quero agradecer a Verônica por alterar e fazer esse novo design do nosso blog! Espero que tenham gostado, pois eu ADOREI!

Agradecimento a Fábio Nunes pela sua contribuição. Nota expressa sua opinião. (Escrito em 07/07/2010).

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Livro do Desassossego - Fernando Pessoa

Uma semana atrás, mais ou menos, uma pessoa próxima a mim, me indicou este livro dizendo que havia lido apenas trechos dele e tinha se identificado. Achei-o na internet e baixei (calma vou comprar ele assim que terminar o livro), e ando com ele para cima e para baixo. Achei, lendo o livro, um trecho que agradece a pessoa que me indicou, agradece muito o bem que me fez em momento de total reflexão ao ler esta obra prima. Falta muito ainda para terminar, mas já valeu a pena desde a primeira página.

Bernardo Soares é um dos pseudônimos de Fernando Pessoa.

"...Não tomando nada a sério, nem considerando que nos fosse dada, por certa, outra realidade que não as nossas sensações, nelas nos abrigamos, e a elas exploramos como a grandes países desconhecidos. E, se nos empregados assiduamente, não só na contemplação estética mas também na expressão dos seus modos e resultados, é que a prosa ou o verso que escrevemos, destituídos de vontade de querer convencer o alheio entendimento ou mover a alheia vontade, é apenas como falar alto de quem lê, feito para dar plena objetividade ao prazer subjetivo da leitura. Sabemos bem que toda a obra tem que ser imperfeita, e que a menos segura das nossas contemplações estéticas será a daquilo que escrevemos. Mas imperfeito é tudo, nem há poente tão belo que o não pudesse ser mais, ou brisa leve que nos dê sono que não pudesse dar-nos um sono mais calmo ainda...”

 

Agradecimento a Verônica Elias. Nota expressa a sua opinião. Escrito em 18.06.2010.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Stephen King – O mestre do horror

E aí gentem?? Já ouviram falar no escritor do título?? Acham que não? Pois eu digo que quase com certeza já olharam um filme baseado nas obras dele. Isto é, se é que gostam de filmes de terror.

O Mr. King é um escritor americano que atualmente conta com mais ou menos 100 obras (traduzidas para mais de 40 países) em seu catálogo de horror, incluindo romances, contos e outros. Quase todas as obras dele foram adaptadas para o cinema, desde os clássicos “Carrie – A estranha”, “Cemitério Maldito”, “Christine – O Carro Assassino” e “O Iluminado” até a Superprodução “À espera de um milagre” e os atuais “The Mist – O nevoeiro” e “1408”.

Desde quando minha amiga Luana descobriu o autor nas bibliotecas da vida, me apaixonei pelos seus livros e já li uma porrada de coisas dele, incluindo livros de entrevistas, e livros sobre livros dele. E posso dizer que para mim ele é um ídolo, um daqueles autores de que eu gosto muito da obra a ponto de querer saber sobre a vida dele e com certeza gostaria muito de conhecê-lo.
Recomendo avidamente os livros dele para quem gosta do gênero, para quem não gosta pode ler os autobiográficos dele, ou alguns contos como, por exemplo, “Sombras da Noite”, e ele também têm livros só de ficção e fantasia que não abordam diretamente o horror, como, por exemplo, “Os Olhos do Dragão” que ele fez justamente para a filha dele que não gostava do gênero horror.

Para quem gosta de terror é um prato cheio porque ele já escreveu –maravilhosamente bem- sobre todos os tipos de criaturas que integram o gênero como vampiros, lobisomens, monstros em geral, zumbis, alienígenas e qualquer outro que você possa lembrar. E não ache que ele apenas escreve sobre monstrengos apodrecidos ou bichos-papões sem graça, ele tem livros em que objetos estão possuídos ou possuem alguém pelo mal que contém neles, como o Hotel Overlook em “O Iluminado” ou a “Casa Marsten” em “A hora do vampiro” (que aliás estou lendo agora e adorando). E se ainda assim não os convenci, posso garantir que ele tem histórias excelentes de terror psicológico, como em “Jogo Perigoso”, que trata quase que exclusivamente de nossos medos interiores, ele tem livros fáceis e difíceis de ler, grandes e pequenos, para todos os gostos.

E ainda está na ativa escrevendo e sua esposa é romancista, ele tem três filhos, dois rapazes e uma moça, e os dois meninos também escrevem, e ele já ganhou um prêmio nos Estados Unidos por ter ajudado a disseminar a literatura no país. Creio que até mesmo aqui no Brasil, dentro desse gênero ele é o mais popular, pois sempre que vou às livrarias, sebos ou feiras do livro acho diversos títulos dele.

E vocês? Gostam desse gênero? (tenho certeza que muita gente vai dizer que prefere romance, mas quem disse que ele não é romancista? E quem disse que esses romances comuns não têm espaço nos livros dele? A única diferença é um toque sobrenatural rsrsrs) Qual seu monstro favorito? Citem seus autores e/ou livros preferidos para compartilharem com o pessoal!

Agradecimento a Fábio Nunes pela sua contribuição. Nota expressa sua opinião. (Escrito em 22/06/2010).

segunda-feira, 14 de junho de 2010

A histeria da copa

Gente, tudo bem que o Brasil é o país do futebol, que a copa é um momento de alegria e um instante de satisfação na vida dura de muitos de nós –brasileiros- mas eu acho que sempre acontece um exagero nesse sentido, afinal olhem só o que já está acontecendo por aqui, a copa sendo na África do Sul: todo mundo só fala em copa e copa e hã, já citei copa? As tabelas de jogos do Brasil já estão sendo comentadas há tanto tempo que acho que já decorei. Nos dias de jogos da nossa seleção o Brasil para definitivamente, não tem nada funcionando bem a não ser fora dos horários dos jogos.
Eu admito, não gosto de futebol. Mas olho os jogos de copa e olimpíadas numa boa, até torço com veemência! Quando meu irmão jogava na escolinha de futebol nos ‘fraldinhas’, pois ele só tinha uns 7 anos, eu ia nos jogos e sempre levava muitas guloseimas e com isso, o tempo até que não passava devagar e eu conseguia ver o jogo e me divertir. Meu irmão gosta de futebol tudo o que eu não gosto, assim temos um equilíbrio. Mas voltando ao assunto, tem gente que quer olhar todos os jogos, inclusive os das outras seleções, e isso já é demais para minha cabeça. Sempre penso que esses jogadores ganham fortunas enquanto eu, olhando ou não os jogos, amanhã terei de acordar cedo, e bem cedo.
E o que mais me incomoda, irrita de verdade é que a copa de 2014 aqui no Brasil já está tendo essa histeria coletiva agora. Tudo é feito “para a copa de 2014”. O presidente Lula vai dar aos policiais que farão a segurança da copa um aumento. Mas porque só agora? A segurança já não se faz necessária há tanto tempo? Outro bom exemplo é a continuação e criação de nova linha de trem aqui em Porto Alegre. Vai ser feito para a copa de 2014! Esse projeto é tão velho que virou até piada por aqui. Se não fosse a copa será que sairia do papel? E as reformas nos estádios então? Nunca seriam feitas? E outras tantas promessas. É ridículo e imundo isso.
As torcidas e em especial a brasileira já está desde agora com a expectativa da próxima copa, e montando toda uma infra-estrutura para isso. E me irrita condicionar isso, essas medidas todas, a ter ou não uma copa de futebol. E me desconcerta a união das pessoas somente para esse tipo de coisa, é como se o governo desse o circo e nós mesmos levássemos o pão, cegos e atados como bestas selvagens. Para atitudes de protesto em prol de nós mesmos, ninguém se mexe e finge que não vê, enfim, e depois ainda queremos que as coisas sejam justas, mas acho que a justiça passa por nós.

Agradecimento a Fábio Nunes de Moura pela sua contribuição. Nota expressa sua opinião. (Escrito em 10/06/2010).

terça-feira, 1 de junho de 2010

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Fugas da Realidade

Alguém aí já se deu por conta que volta e meia nós fugimos da nossa realidade? Às vezes seguido, às vezes não, mas creio que todos nós fugimos de vez enquanto. Muitas vezes estamos com dificuldades, estresse, todos bem sabem que problemas todo mundo tem os seus e não se pode colocar na porta do vizinho. Aí entram as fugas!!

Existem probleminhas e problemões, alguns são constantes como o estresse do dia-a-dia e do trabalho, às vezes problemas de saúde, e se ficarmos pensando muito neles, enlouqueceríamos. Sei que temos que encarar os problemas de frente para resolvermos eles, mas como sempre se tem algo a resolver, ficaríamos loucos e acharíamos que nunca vamos ter um descanso. Aí entra o mecanismo de fuga, tão sutil que nem percebemos que é isso. Qualquer distração ou diversão pode ser considerado, em minha opinião, como mecanismo de fuga, sendo que qualquer um deles nos desvia a atenção desses tão citados problemas.

Pensem bem, quando se tem um dia exaustivo, cheio de problemas que ainda não foram resolvidos de todo, chegamos em casa e fazemos o que?? Descansamos, olhamos TV, brincamos com os filhos ou simplesmente nada. E o que é isso?? Não deixa de ser a tão necessária fuga da realidade! Que até aqui em minha opinião é saudável, mas existem outras modalidades nem tão saudáveis assim.

Na modalidade destrutiva entram as drogas, por exemplo, onde a pessoa não pode ter qualquer coisa ruim acontecendo que já parte para a droga, para poder fugir daquilo, e nisso, se prejudica muito mais, e se conseguir sair dessa, vai ter que aprender a ouvir os NÃOS da vida e encarar as dificuldades com fugas menos autodestrutivas.

Agora quem for comentar me conte, se possível, qual sua fuga/diversão preferida para esquecer os problemas! Abraços a todos!



Agradecimento a Fábio Nunes de Moura pela sua contribuição. Nota expressa sua opinião. (Escrito em 26/05/2010).

Desarranjo Sintético

Desarranjo Sintético
"Era um grande nome — ora que dúvida! Uma verdadeira glória. Um dia adoeceu, morreu, virou rua... E continuaram a pisar em cima dele." Mario Quintana