Quem sou eu

Minha foto
Fábio e Verônica, Verônica e Fábio. Um escritor e uma musicista, pelo menos aspirantes a isso rsrs! Amantes das letras, dos sons e de tudo que é arte! Amigos acima de tudo! Fizemos esse cantinho para dividir nossas idéias e ideais aos olhos da Net!

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Senso de Coletividade

Genteee! Que agonia que me dá gente lerda na minha frente. Eu sou daqueles que anda rapidinho, em passos curtos, e, sendo magro, vou me desviando da multidão, me enfiando entre um e outro, o que é muito útil para pegar lugar no trem, por exemplo. E me irrita ao máximo ver pessoas se arrastando na minha frente. E nem é mania minha, afinal cada um que ande como quer, não é? Mas o que não aguento é ver pessoas se arrastando e ainda bloqueando o lugar de quem quer passar. Acho isso um saco, uma falta de consciência coletiva.

Quando a copa do mundo, ou as olimpíadas, não lembro, foi no Japão, vi que tinha grupos de lá, que ajudavam na preparação das pessoas para a ida da copa. E isso incluía a preparação e organização de pessoas no ônibus. Achei o máximo! Quem pega ônibus todo dia sabe do que estou falando. Ônibus hiperlotados e quando desce alguém, os outros que estão na frente não se acomodam no lugar que vagou porque as outras pessoas saíram e sim ficam que nem múmias paradas nos mesmíssimos lugares, daí os cobradores têm que ficar berrando “UM PASSINHO AO FUNDO, POR FAVOR” e coisas do gênero, e mesmo assim às vezes não funciona e os que ficam antes da roleta ficam apertados ou tendo que forçar a passagem, quando a solução seria o simples, prático e eficaz bom senso.

Tive uma professora de inglês que não há muito tempo foi para os Estados Unidos e disse que lá, até nas escadas rolantes tem lado “certo”, eles ficam à direita, que nem carros, e quem está com muita pressa ou andando mais rápido e não espera a marcha da escada, passa pela esquerda, como uma ultrapassagem! Não é o máximo de civilidade?!

Outra coisa que até eu mesmo estou me policiando para seguir é o seguinte: nas lotações, ou ônibus, mas na minha cidade tem mais lotações do que ônibus, então eu uso mais, as pessoas que vem de pé acabam descendo depois das que estão sentadas na parada final, tudo porque quando a lotação pára, as pessoas que estão sentadas devem começar a sentir uma coceira “lá” e levantam e começar a forçar a passagem ou a entrar na fila “desesperadas” para sair (efeito contrário de quando se abre uma porta de trem, onde as pessoas, feito bichos selvagens, se avançam para entrar), isso sem estarem atrasadas. Agora me digam: não seria mais fácil se as pessoas que já estão de pé saíssem primeiro, uma porque é mais ágil, afinal já estão de pé mesmo, outra porque seria mais justo, afinal elas vieram de pé, cansadas, apertadas, e querem sair logo, enquanto as que estão sentadas, bonitinhas, fofas e com o traseiro bem sentado, podem continuar assim por mais dois minutos, e não teria empurração sem necessidade.

As pessoas têm muito a síndrome do sol, ou seja, acham sempre que são o centro da galáxia, quiçá do mundo. É difícil pegar um guardanapo de papel e secar a mesa e outros detritos que você pode ter espalhado no refeitório depois do almoço, ainda mais sabendo que tem pessoas que almoçam depois de você e que não tem a obrigação de limpar a “sua” sujeira? É difícil não colocar restos de comida na pia para não entupi-la, prejudicando a todos, ainda mais quando se tem um lugar específico para isso? Aqui na minha empresa é, e acho isso uma chatice. Parece que as pessoas não enxergam isso.

E falando em não enxergar, não só para essas coisas, mas para muitas outras parece que a as pessoas têm que ser domadas que nem um poodle, ou robotizadas com instruções, como um computador. Se uma pessoa ficasse ali uns três dias, dando essas instruções específicas de: limpe a sua sujeira, jogue seus restos em tal lugar, a coisa funcionaria, e mesmo assim teriam que inspecionar de vez em quando. Não entendo porque tem coisas que só funcionam sob fiscalização, quando seríamos os melhores fiscais de nós mesmos se pensássemos um pouco que seja no outro. E para encerrar a frase: “Liberdade é bom, mas também é responsabilidade”. Li em algum lugar e acho que se aplica plenamente aqui.

Quero agradecer a Verônica por alterar e fazer esse novo design do nosso blog! Espero que tenham gostado, pois eu ADOREI!

Agradecimento a Fábio Nunes pela sua contribuição. Nota expressa sua opinião. (Escrito em 07/07/2010).

12 comentários:

Ellen Lacerda (Elinha) disse...

Fábio,
Como sempre, seu texto é o máximo!!!
Incrível como vemos as coisas de forma semelhante estando a milhares de quilômetros...
As pessoas precisam de aulas de civilidade para as coisas mais básicas não é mesmo?
E quem busca fazer o melhor para a vida de todos é idiota...
Mas em um país onde se tira vantagem de tudo, o que mais poderíamos esperar? Civilidade?
Aliás, espero que vc escreva sobre este período que se inicia agora: o da politicalha, suja e podre que nos cercará até quase o fim do ano...
O que podemos fazer em meio a tudo isso é tentar espalhar a idéia das coisas simples que modificam o mundo...
E isso vc já está fazendo, e vejo que não só por aqui!

xero!

Dama de Cinzas disse...

Ahhh o layout está lindo! Queria tanto saber mexer nessas coisas, pra mudar de vez em quando a cara do meu que tá podre de velho... rs

Bem... É isso que você disse mesmo. Eu quando comecei a trabalhar só tinha um ônibus que me levava pra lá de forma mais rápida, o outro dava uma volta que demorava 3 vezes mais. Então a fila pra esse ônibus era algo absurdo e quando era época de praia a coisa ficava pior, porque os banhistas invadiam o ônibus e nós que estávamos na fila, ficávamos torcendo pra pelo menos conseguir entrar...

Depois de um tempo teve a turma de marcar lugar pro outro... Às vezes vc era a quinta da fila e no final se tornava a trigésima de tanta gente que entrava na frente. E não adiantava reclamar, porque eles eram barraqueiros demais e uma turma muito grande que se voltava contra quem reclamasse... Uma máfia...

Graças a Deus isso passou e agora eu trabalho na rua da minha casa...

Beijocas

feriadoantecipado disse...

aaaai eu odeio gente lerda na minha frente!!!...uma coisa é andar tranquilamente num parque ou coisa assim, mas na multidão tem q acompanhar o fluxo né e ñ ficar empacando!!!...outra coisa q eu detesto é fila...mas não quando o motivo é muita gente, mas sim qndo o motivo é falta de atendentes tendo vários guichês livres...e já li sobre isso uma vez q o sentido de fluxo é igual dos carros, pela direita...

abraços.

V disse...

Uau. Que desabafo, hein?
Das coisas que você citou, a que mais me irrita é gente lerda. Que anda nas ruas como se estivesse sozinho. E quando o centro está cheio? Juro que já senti vontade de empurrar uma pessoa. Tenho certeza que as da frente cairiam, como dominós.
A gente, principalmente o brasileiro, ainda tem muito o que aprender. Ser educado.
Sem educação, as coisas ficam muito difíceis.
Ah, outra coisa: no finalzinho, quando você falou sobre limpar a mesa que você sujou. Eu sempre faço isso e fico chateada quando chego em alguma lanchonete e vejo que a pessoa antes de mim, deixou tudo sujo. Dá vontade de dar uma de Kiko e dizer: Gentalha, gentalha!

Beijo.

Atitude: substantivo feminino. disse...

Muito lindo o template!
Olha..temos o mesmo problema.
Eu também sou super a favor desta civilidade e de um código para multidões..sério mesmo..
Mas ó, vou lhe contar..se eu chego em um lugar e vejo que não um pingo de ética e nem de semancol por parte das pessoas..ahhhh ninguém me segura não..sou mmmuuito Shrek. Totalmente ogra. Passo por cima rebocando mesmo!

feriadoantecipado disse...

oi fabio, vi que tu comentou lah no blog...quando quiser eu te empresto livros da agatha, tenho 4...quando quiser é só avisar.
"miss marple"...shuashua...eu li mistério no caribe q era com ela tmb...
abraço.

feriadoantecipado disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cain Sodom disse...

Rs, também tenho muito pouca paciência pra gente lerda. E infelizmente temos que aprender a conviver com elas, pena que não dê pra colocar fucinheira... Mas quem iria levar o(a)s coitadinho(a)s pra passear? Eu não! É óbvio que muito pouca gente respeita o espaço do outro, pena...

Flávia Batista disse...

Oi Fábio... hahahhahaha, adorei o post. Isso me fez lembrar uma vez que peguei um ônibus tão cheio, mas tão cheio que levei quase meia hora para conseguir descer... e as pessoas simplesmente n saiam da frente pra eu passar, nem se quer se movimentavam... ainda teve um cara que gritou "passa uma manteguinha que sai mais fácil" Morri de ódio!!! mas n tive como não segurar a gargalhada!

bjss

Tatá disse...

bah, gente lerda é um saco. se quer andar devagar, nao atrapalhe quem tem pressa oras!
digo porque sou muito lerdinha mas não dificulto a vida de ngm e nem gosto que dificultem a minha!
adorei o blog!
beijinhos!

Ellen Lacerda (Elinha) disse...

Olá!
Tem selinho pra vcs lá no blog!
xero.

@AllvaroWanna disse...

Rs, tenho uma professora que comenta muito sonre isso:
Senso de coletividade, rs.
É minha professora de política, ela diz que não sabemos vier em comum.

To seguindo aqui, até:*
Aparece no meu tbm se puder ;)

Desarranjo Sintético

Desarranjo Sintético
"Era um grande nome — ora que dúvida! Uma verdadeira glória. Um dia adoeceu, morreu, virou rua... E continuaram a pisar em cima dele." Mario Quintana