Quem sou eu

Minha foto
Fábio e Verônica, Verônica e Fábio. Um escritor e uma musicista, pelo menos aspirantes a isso rsrs! Amantes das letras, dos sons e de tudo que é arte! Amigos acima de tudo! Fizemos esse cantinho para dividir nossas idéias e ideais aos olhos da Net!

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Para Fernando, ô Pessoa!!!

Escrevi depois de pensar muito nas partes que li (ainda tô lendo) do livro de Fernando Pessoa, indicado aqui mesmo no blog. Não sei o que é, então fica como um poema.

 Dois abismos
 Duas crenças
 Dois perdidos
 Duas senteças

Você não quis mais discutir.

Vou lembrar de nossas vidas
dos amores não advindos
ou dos triunfos que não são meus.

Tenho amor a isto
Tenho e preciso
Florecer pra te encantar
Te envolver entre o céu e o mar.

Tenho amor a isto
Tenho e preciso
Aparecer no teu luar
Te encantar com um só olhar.

Vem as saudades
Vem ascensões
Vem a maldade
Vem os canhões

A inimizade de dois corações.

Vou lutar pelos meus sonhos
Dignidade, um bem para todos.
Tardava-me o conhecer.

Tenho amor a isto
Tenho e preciso
Florecer pra te encantar
Te envolver entre o céu e o mar.

Tenho amor a isto
Tenho e preciso
Aparecer no teu luar
Te encantar com um só olhar.

     
  
Agradecimento a Verônica Elias. Nota expressa a sua opinião. Escrito em 07.2010.

4 comentários:

Desarranjo Sintético disse...

Nada como um pouco de suavidade depois do último post, eheh. Lindo!

Bjoks.
Fábio.

Alysson-Syn disse...

Muito bom, muito bonito, muito suave, gostei mesmo. Verônica! Fernando Pessoa ficaria feliz ao ler sua talentosa homenagem!

Abração!

Autor disse...

Fácil entender pq Pessoa ainda é reverenciado apesar do tempo que já tem sua obra.
Perfeito.

V. disse...

Ai, ai.

Que Pessoa maravilhosa, hein?
Dele, há um poema que considero um dos mais belos da Língua Portuguesa. Chama-se "Tabacaria".
Quando puder, dá uma lida. Ou várias... não irá conseguir ler uma vez só.

Beijo.

Desarranjo Sintético

Desarranjo Sintético
"Era um grande nome — ora que dúvida! Uma verdadeira glória. Um dia adoeceu, morreu, virou rua... E continuaram a pisar em cima dele." Mario Quintana