Quem sou eu

Minha foto
Fábio e Verônica, Verônica e Fábio. Um escritor e uma musicista, pelo menos aspirantes a isso rsrs! Amantes das letras, dos sons e de tudo que é arte! Amigos acima de tudo! Fizemos esse cantinho para dividir nossas idéias e ideais aos olhos da Net!

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

P.G.N.

Essa é a sigla que acabo de inventar e serve para designar Pessoas Geneticamente Modificadas, sim! Isso mesmo! Quero falar das probabilidades de no futuro as pessoas terem seus genes modificados, e não falo de terapia para doenças e sim de estética.
Escutando uma coisa no rádio aqui, o pensamento acrescentando outra coisa acolá eu me pus a imaginar o que será no futuro – talvez mais breve do que imaginamos até – se as pessoas decidirem utilizar os avanços genéticos e tecnológicos para efetuarem suas sandices e loucuras experimentais em nada mais nada menos que a cobaia mais acessível: seus filhos!
Hoje a noção de beleza é uma coisa senão mortífera, ao menos desgastante. As leitoras sabem bem do que eu estou falando: as modelos anoréxicas & cia. Ltda. são nada mais que palitos ambulantes desesperadas por dietas milagrosas e as atrizes e atores (ainda mais agora com definição digital) se preocupam em manter esse padrão absurdo a que chamam beleza. Mas o que isso tem a ver? Que serão nesses padrões que as mães e pais transformarão seus filhos.
O primeiro murmúrio que ouvi a esse respeito foi de pessoas comentando que escolheriam a cor dos olhos para seus filhos, se pudessem. Imaginem que o que não acontecerá quando todo mundo puder escolher como serão os seus filhos? Provavelmente todas as meninas serão loiras (de cabelos obrigatoriamente lisos), bocas enormes, lábios e coxas grossas, peitos e bundas gigantescas, mini-cópias da Angelina Jolie, Britney Spears (sem comentários) ou outras celebridades. Os meninos terão a cara do Brad Pit ou Jhonny Depp, tendência a ter peitorais definidos, com o corpo todo másculo.
E ninguém aqui está dizendo que a Angelina ou o Brad são feios. Mas já imaginaram ter dezenas, centenas, milhares de pessoas iguais! Filha de pais negros loira, de pais morenos, loira, de pais ruivos, loira também. Para mim é o caos. Serão todas IGUAIS!
Acho maravilhoso os filhos receberem as características dos pais, é uma coisa divina, fabulosa, um esquema fantástico de criação que se pararmos para pensar é realmente incrível: duas pessoas se unem e formam um novo ser com características suas –um pouco de cada – um ser ÚNICO, diferente de qualquer outro. E eu acho fundamental essa individualidade. Claro que às vezes queremos ser iguais, passar despercebidos, mas isso é outra coisa. Já imaginaram que horrível parecer igual a todo mundo?
Espero que essa ditadura da beleza (que não é beleza) não tenha esse tipo de conseqüência, que os pais tenham noção de que o que vale realmente está por dentro e não por fora.

Música: E porque não? da banda Bidê ou Balde (vide post abaixo).

Livro: Christine, do mestre do horror Stephen King.

Seriado: Will e Grace, eu recomendo, comédia da melhor qualidade!

Agradecimento a Fábio Nunes de Moura pela sua contribuição. Nota expressa sua opinião. (Escrito em 04/09/2008).

10 comentários:

Quase Trinta disse...

Essa é a ditadura da beleza da qual eu me recuso a fazer parte.

ótimo final de semana pra ti

Dama de Cinzas disse...

Realmente é preocupante e pior que cada vez se precisa de mais e mais dinheiro para atingir um padrão de beleza aceitável... Dia desses eu tava comentando com uma amiga que não existe mais cabelo cacheado, só os lisos naturais e os esticados por escovas progressivas, definitivas, de chocolate de morango etc e etc...

Sinto um outro ládo da questão, o povão cada vez mais "feio" e as pessoas financeiramente beneficiadas cada vez mais igualadas. Praticamente a tal raça pura que Hitler queria... É assustador... bjs

Breno disse...

Bom... Dizem que esse é um dos estágios da evolução, quando não irá existir uma identidade para cada um e sim uma identidade única, todos seremos só uma coisa e essa mesma coisa será bem melhor que a nossa realidade atual. Não sei bem o que pensar sobre isso, porque eu quero evoluir e ultimamente estou pagando qualquer preço para isso, mas seria o primeiro afetado com a falta de identidade pessoal.

Muito bom o post.

TOOP disse...

toda ditadura, abraça os fracos.

Sendo da belza, ou não

Assim que sou disse...

As pesquisas que tentam viabilizar as alterações genéticas tem como objetivo algo bem mais nobre, que é o de interromper ou interferir em heranças genéticas expressas em doenças cruéis e degenerativas. Esse é um processo científico muito importante e que, pessoalmente, quero muito que dê certo. Agora se o ser humano é um doido varrido, a viver pensando que é o Mago Merlin e que a ele é dado o poder de fazer-se à luz e semelhança dos ideais fantasiosos, não há o que se fazer. Porque essas coisas, meu caro, acontecerão. E mesmo diante dos possíveis fracassos das ovelhas Dolly, continuarão motivando uma indústria desesperada a disseminar todos esses conceitos bobocas dos corpos bonitos, olhos lindos, cabelos lisos, rostos perfeitos. Que bom, até mesmo para as mulheres, que existem cabeças masculinas como a sua, a pensar diferente e até curtir as não tão perfeitinhas assim.

bjos. Veronica

Bella disse...

Adoro ser como eu sou. Embora pinte o cabelo de vermlho, ñ pra tentar ficar igual às outras,mas pq gosto de me sentir diferente. Adore ser essas mistura de índio, com negro, comm euroupeu, tão misturada,tão brasileira, que ao mesmo tempo em que tenho características de todas as outras, nenhuma é como eu =D

elisabete fialho disse...

Oi viva,desde já obrigado pela visita e seu comentário
Desde à uns tempos que seu espaço não me é desconhecido,já que atravez da nossa conhecida Dama de Cinzas, confesso que por aqui andei.
Tenho a dizer que gosto de seu blog, e deste post que dizer???
A costumeira frase - a beleza é a interior.
Posso dizer também - quando a cabeça é fraca o corpo é que paga
Prefiro dizer - a cabeça existe é para pensar, cada um que faça suas escolhas.Se entendem estar a moda é serem todos iguais tipo papel quimico ou fotocópia...pois que sejam...eu por gosto de destacar pela diferença.
Quando em jovem por carencias monetárias não podia comprar roupas de marca.
Comprava as de feira, meus colegas de escola ainda tentaram pegar comigo...sempre respondona e sem papas na lingua respondo:
- e eu sou carneiro para andar atraz dos outros???
Como a reação foi tão silenciosa, eu hoje com 44 anos faço questão de ser bem diferente ( sempre dentro do meu estilo de corpo e o estilo da carteira eheheh)
Um abraço até ese lado do mundo

Flávia Batista disse...

como sempre digo... se eu pudesse modificar algo geneticamente em mim, seria só o mu cabelo.. nada mais... e nem ia querer ele liso escorrido, só um pouco mais domável!!!

esse lance de ser igual até assusta mesmo...

abraços!

Beto Canales disse...

É um caso extenso, esse. Na verdade, essa necessidade de copiar, reproduzir aquilo que a mídia manda com que se clame por belo, mostra - inapelavelmente - a falta de cultura, inteligência é até caráter. Escreveste com muita pripriedade. Viva as diferenças.

Robson disse...

Fábio ótimo texto e "alerta", tem vitimas da moda em todos os níveis né? sem contar os estragos ambulantes que a gente ve por ai...falando nisso, que os botocudos estão na ultima moda.
Adorei seu blog e obrigado a vc pela visita.
Grande abraço!

Desarranjo Sintético

Desarranjo Sintético
"Era um grande nome — ora que dúvida! Uma verdadeira glória. Um dia adoeceu, morreu, virou rua... E continuaram a pisar em cima dele." Mario Quintana