Quem sou eu

Minha foto
Fábio e Verônica, Verônica e Fábio. Um escritor e uma musicista, pelo menos aspirantes a isso rsrs! Amantes das letras, dos sons e de tudo que é arte! Amigos acima de tudo! Fizemos esse cantinho para dividir nossas idéias e ideais aos olhos da Net!

terça-feira, 25 de março de 2008

Colunista - Fábio Nunes de Moura

Depois dos POEMAS NO ÔNIBUS E POEMAS NO TREM, inauguro (ou pelo menos com esse nome) uma nova modalidade, os POEMAS NO BLOG:
E como dizia a grande Cecília Meireles: “Não sou alegre nem sou triste: sou poeta”.

Toque sua lira

Toque sua lira para mim
Desconsertando-me
Com seu concerto
Denegrindo-me com suas doces palavras
Escondendo atrás de sua canção minha agonia

Não deixe de tocar
Só ela consegue mascarar meus atos
Só sua música tem o poder de me fazer esquecer
Zanzar com meus pensamentos

Só sua cifra pode esconder minhas contradições
Só seu dedilhado suave pode me aquecer
E me acalentar
Seu ritmo me deixa confortado

Conformado eu sigo no desencadear de suas notas
Me sinto suave
Mas por favor,
Toque sua lira para mim


Agradecimento a Fábio Nunes de Moura pela sua contribuição. Nota expressa sua opinião.(escrito em 12/03/2008).

Um comentário:

Desarranjo Sintético disse...

Muito bonito o poema Fábio. Já te disse pessoalmente mas vou dizer por escrito também: Tá escrevendo bem guri!!!!
Bjokssssssssssssssssss

Verônica Elias

Desarranjo Sintético

Desarranjo Sintético
"Era um grande nome — ora que dúvida! Uma verdadeira glória. Um dia adoeceu, morreu, virou rua... E continuaram a pisar em cima dele." Mario Quintana